| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

O CANGAÇO EM FOCO
Desde: 28/02/2011      Publicadas: 854      Atualização: 09/11/2013

Capa |  ARTE & CULTURA DO CANGAÇO  |  ARTIGOS DE OUTROS AUTORES  |  CORDEL E POESIA SERTANEJA  |  CRÔNICAS  |  DESTAQUES  |  ESTUDOS SOBRE O CANGAÇO  |  EVENTOS SOBRE O CANGAÇO  |  GUERRAS ADJACENTES AO CANGAÇO  |  HISTÓRIA DO CANGAÇO  |  HISTÓRIAS SERTANEJAS  |  JORNALISMO & CANGAÇO  |  LITERATURA & CANGAÇO  |  LIVROS A VENDA  |  MEUS ARTIGOS  |  MEUS COMENTÁRIOS  |  MULHERES NO CANGAÇO  |  NAS ANDANÇAS DO MEU LIVRO  |  PERSONAGENS DA ÉPOCA  |  TEXTOS DA ÉPOCA DO CANGAÇO


 LITERATURA & CANGAÇO

  26/06/2012
  0 comentário(s)


LAMPIÃO CONTRA O MATA SETE (textos diversos)

Neste livro, Archimedes Marques procura desmontar, pedra por pedra, o mito do Lampião gay. Vale a pena conferir.
(Textos de Archimedes Marques, Alcino Alves Costa, João de Sousa Lima e Ancelmo Gois)

LAMPIÃO CONTRA O MATA SETE (textos diversos)LAMPIÃO CONTRA O MATA SETE

Como participante do maior movimento pertinente ao assunto CANGAÇO que há no Brasil, o CARIRI CANGAÇO, evento que reúne anualmente as maiores autoridades nacionais e internacionais sobre o tema, escritores, pesquisadores, historiadores e estudiosos, cujo evento é realizado na cidade do Crato e região do Cariri cearense adjacente, pessoas que buscam e visam a preservação da verdadeira história, não poderia em hipótese alguma ficar calado vendo a história de Lampião e Maria Bonita sendo desvirtuada e mascarada pelo livro intitulado Lampião o Mata Sete. Assim, resolvi escrever a sua contestação: LAMPIÃO CONTRA O MATA SETE.

Quando ingressei no estudo do cangaço, fruto do meu interesse pelo tema quando ainda criança, mas somente agora sendo possível essa realização, devido principalmente à minha grande dedicação pela vida policial em quase três décadas de atuação no Estado de Sergipe, pretendia eu, com o aprofundar do estudo e das pesquisas também escrever um livro, um livro que seguisse e respeitasse o rumo da história já escrita, mas que acrescentasse algo a mais, como de fato já possuo alguns capítulos já escritos dessa futura obra, entretanto, chegou do nada o indigesto livro "Lampião, o Mata Sete" e, lendo as constantes aberrações contidas no seu bojo, resolvi então interferir para mostrar ao público leitor o quanto o seu autor está confundido e atrapalhado nos seus conceitos.

Trata-se do meu primeiro livro e também do primeiro livro oposição dentro do assunto cangaço. LAMPIÃO CONTRA O MATA SETE, procura refutar tudo que está errado no seu livro opositor, pois essa obra é eivada de vícios em quase todos os seus conceitos, além do autor trocar datas, lugares, nomes de pessoas. Ademais todas as alegações contidas no livro "Lampião, o Mata Sete" referentes aos conceitos sexuais de Lampião e Maria Bonita são levianas e sem provas algumas por menor que sejam e até mesmo desprovidas sequer de indícios de veracidades, como se a história fosse feita de insinuações vindas do nada, caídas de paraquedas, provindas de uma mente criativa sem apresentar fatos alguns que pelo menos deixem dúvidas quanto ao alegado.

Hoje posso afirmar que já estou passando do estágio de estudante para estudioso no assunto, pois já li cerca de 130 livros além de ter ido pessoalmente a vários locais que fazem parte da história do cangaço. Dentro do assunto há mais de 700 livros escritos e nenhum deles diz tamanhas aberrações quanto alega o livro "Lampião o Mata Sete". Ressalte-se que a grande maioria desses livros foram escritos baseados em depoimentos de ex-cangaceiros, ex-volantes, ex-coiteiros e sertanejos que vivenciaram a própria época do cangaço, enquanto que o livro "Lampião o Mata Sete", somente escrito agora, nada disso apresenta, até porque quase todas essas pessoas já estão mortas. Os poucos entrevistados pelo autor disseram a outros autores fatos totalmente adversos. Até o próprio escritor Oleone Coelho Fontes que fez a introdução do livro "Lampião o Mata Sete", em quase toda a trajetória do livro confronta-se com as suas próprias opiniões contidas no seu livro "Lampião na Bahia", ou seja, são opiniões de atos e fatos ocorridos e que se tornam adversos em cada capítulo desses dois livros. Daí, dentre muitos outros, o reforço de se afirmar que as alegações contidas no livro "Lampião o Mata Sete" serem levianas e desprovidas de provas substancias, testemunhais, ou mesmo de quaisquer tipos de provas, senão alegações vazias e despropositadas no intuito de desmistificar Lampião e Maria Bonita a qualquer custo em patente visão de parcialidade com a verdadeira história.

Do meu livro as pessoas podem esperar por uma contestação justa, limpa, verdadeira, baseada em livros diversos de conceituados escritores, artigos, matérias pertinentes e outros tipos de pesquisas de campo, além das conversas com pessoas remanescentes do cangaço e com estudiosos do tema, por sinal todos eles, bastante revoltados com o livro "Lampião o Mata Sete".

Segue o prefácio do meu livro LAMPIÃO CONTRA O MATA SETE, elaborado pelo escritor João de Sousa Lima, a apresentação feita pelo escritor Alcino Alves Costa e as orelhas do livros escritas pelo jornalista Ancelmo Gois do Jornal O GLOBO:

LAMPIÃO CONTRA O MATA SETE, A SEPARAÇÃO DO JOIO DO TRIGO.

É preciso se separar o joio do trigo, as ervas daninhas devem ser desenraizadas para que as árvores frutíferas produzam seus frutos. Em todos os seguimentos da vida existem os bons e os maus. Há os que produzem com sabedoria e os tolos em sua essência. Assim caminha a humanidade, em toda parte se sobressaem os que buscam a perfeição e dela se aproximam, deixando seus legados como ensinamentos para outros que trafegam na estrada do conhecimento e da perpetuação histórica, sendo o fato aqui relacionado: A análise ajustada dos acontecimentos que permearam uma época que marcou profundamente as mentes e as vidas das pessoas do nordeste brasileiro.

Há os que se aprofundam com seriedade, buscando os autênticos subsídios para registrar nos anais dos arquivos escritos suas apreciações honestas e responsáveis.

Também há os hipócritas, os insensatos, gente sem o mínimo conhecimento de certos tópicos e que são ignorantes que se apoderam de um assunto e sem o devido cuidado produzem verdadeiros absurdos.

Nesse caso estou falando da incapacidade de Pedro de Morais com seu livro "Lampião, o Mata Sete" e a maestria de Archimedes Marques com seu apurado revide "Lampião Contra o Mata Sete".
A leitura eu recomendo sobre o trabalho de Archimedes Marques, sem que seja necessário conhecer as inverdades do péssimo livro de Pedro de Morais, o Mata Sete.

Archimedes nos brinda com respostas ajustadas e um trabalho digno de ser adquirido e de constar nos acervos das pessoas cordatas que estudam a história do Brasil.

O simples argumento de ter sido em sua vida pública um homem da lei, que julga seus preceitos e sobre as falhas condena os responsáveis não credita a pessoa e nem pode ser aceita qualquer obra que tenha por suporte apenas o contexto de "vir de um magistrado". Não é esse um argumento válido para se escrever qualquer obra literária, o teor histórico de um povo, de uma nação, merece o mínimo respeito. Devemos preservar os fatos, desvendar os acontecidos, checar às informações, analisar seus episódios, confrontar seus subsídios e tentar se aproximar o máximo da verdade. Esse é o caminho do verdadeiro historiador e pesquisador.

O tempo do coronelismo já passou, não devemos ficar expostos a uma lei que na realidade foi feita para beneficiar os homens de boa índole e não nos colocar amedrontados diante da Toga de um magistrado. Não nos calemos diante dos fatos injustos.

Archimedes Marques, com esse seu livro Lampião Contra o Mata Sete, entra para o grupo das pessoas que produzem com seriedade, com discernimento e demonstra coragem, qualidade indispensável aos homens que merecem nosso respeito e nossa admiração.

Pode-se apostar no sucesso desse primeiro trabalho de Archimedes, ele vem pesquisando o tema cangaço há algum tempo e encontrou o rumo certo rebatendo uma obra que vem talhada de informações sem fundamentos legais que possam comprovar seus textos difamatórios. Diante da apresentação de fatos tão mentirosos levantados pelo fraco autor do "Lampião, o Mata Sete", Archimedes é a bandeira que se levanta contra tais inverdades, um acerto ajuizado contra os pensamentos embaraçados de um escritor sem as qualidades essenciais para uma produção que se explica não por "querer" e sim por "existir", fatos concretos que justificam novos olhares, novas apreciações, porém com a honestidade e a responsabilidade que as ocorrências históricas devem atrair, tendo por legado reparar as lacunas que ficaram adormecidas e que se juntam para agregar valores ao contexto de uma história que se reescreve a cada tempo, porém contada e acrescida em sua profundeza autêntica, ajustada em suas fontes primordiais sendo salvas nas memórias literárias que formadas com outras fontes direcionam a verdadeira historiografia do mundo.

É preciso se separar o joio do trigo, devemos desenraizar as ervas daninha para que colhamos os frutos bons, nesse caso devemos receber o livro de Archimedes Marques, Lampião contra o Mata Sete, com a devida grandeza que ele tem, pois ele é uma bandeira hasteada contra a mentira, contra a insensatez, contra a erva daninha que é esse livro de Pedro de Morais.

João de Sousa Lima
Escritor, membro da ALPA- Academia de Letras de Paulo Afonso, membro da SBEC- Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço.

APRESENTAÇÃO DO LAMPIÃO CONTRA O MATA SETE

Apresentar aos amantes da história cangaceira e da saga de Lampião o livro "LAMPIÃO CONTRA O MATA SETE", especial obra literária de nosso estimado companheiro e amigo Archimedes Marques, um dos nossos vaqueiros da história, é uma honra muito grande para mim.

O título do livro explica o desejo ardoroso e forte de Archimedes em contradizer as ineficazes afirmativas que estão nas páginas do livro "LAMPIÃO O MATA SETE". Os registros de responsabilidade do senhor Pedro de Morais foram escritos sem nenhum embasamento e há anos luzes de distância da verdade da história. Infelizmente, não se sabe por qual razão, o juiz aposentado, apesar de sua dignidade pessoal e funcional, num instante de total opacidade mental, procurou de todas as maneiras possíveis e imagináveis, construir a sua obra literária com azedume extremado em relação à Virgulino Ferreira da Silva, colocando-o nas condições de gay e impotente e a Maria Bonita, taxando-a de adúltera.

Além dessas duas descabidas e ferinas acusações da masculinidade de Lampião e da obsessiva infidelidade de Maria Bonita, existem outras colocações e fatos que se encontram longe, muito longe, da realidade e do que realmente aconteceu.

Nesta minha apresentação me recuso a nem pelo menos opinar sobre a versão delirante de que Lampião era homossexual. Louca afirmativa do Dr. Pedro Morais que, eu tenho certeza disso, pois o conheço pessoalmente e sei o quanto ele sempre foi, na sua vida de juiz e em seu viver pessoal, um homem decente e digno, sem nunca apresentar rompantes de grandeza e vaidade.

Realmente fiquei estarrecido com os dizeres que estão nas páginas do "LAMPIÃO O MATA SETE" que, infelizmente, além dessa aberração de Lampião ser gay, existem outros tremendos equívocos que eu não entendi como uma pessoa tão letrada, cuidadosa e estudiosa como Dr. Pedro, fosse capaz de cometer tantos disparates como os que estão em seu livro.

Vejamos alguns deles: nas páginas do "LAMPIÃO O MATA SETE", constam várias citações sobre o livro "LAMPIÃO", de Ranulfo Prata. No entanto, para não se contradizer sobre a alegação de que Lampião era impotente o juiz aposentando "esqueceu" de registrar que nas páginas 73 e 74, do livro de Ranulfo, está registrado que no município de Porto da Folha, uma senhora já idosa participava do casamento de uma jovem quando na véspera do matrimônio Lampião chegou à casa da noiva e aprisionou o dono da residência, que era avô da noiva, exigindo dinheiro.

As mulheres, inclusive a noiva, haviam se escondido em um dos quartos da casa. Olhando pela fechadura da porta a neta via a agonia de seu avô. Aflita abriu a porta e ofereceu 6000 em troca da liberdade do velho. Lampião atendeu, porém observando a beleza da moça, mais que depressa a agarra, empurrando-a até um quarto onde uma velha estava escondida e a estupra sem piedade. Após o ato bestial, Lampião ordena que a velha limpe seu órgão genital " e este homem era impotente?
O Dr. Pedro de Morais registra na página 219 de seu livro que o cangaceiro Penedinho matou um companheiro em 1932 e entregou a cabeça do morto ao comandante Zé Lucena.

Não foi assim. Penedinho, que era um dos filhos de Poço Redondo que foi para o cangaço, matou o cangaceiro Canário, em 1938, logo após a morte de Lampião e foi se entregar a Zé Rufino, na Serra Negra. O célebre comandante imediatamente viajou com sua volante e o cangaceiro até a fazenda Cururipe, em Poço Redondo, aonde Canário havia sido assassinado, decepou a cabeça do assecla e levou-a até Serra Negra. Portanto, os informes que ensejaram a criação do "LAMPIÃO O MATA SETE" carecem de credibilidade.

É de se lamentar que um livro que despertou tanta curiosidade em meio à população brasileira seja responsável por registros sem nenhum crédito, sem nenhuma nesga de verdade, numa demonstração total da falta de conhecimento do autor. Como último e simples exemplo, dentre muitos outros, existe aquele que está contido à página 283, afirmando que o cangaceiro Criança morreu no tiroteio do Cangaleixo e que a sua companheira, a cangaceira Adelaide saiu gravemente ferida.

É deveras impressionante este registro. Os cangaceiros que morreram no Cangaleixo pelas balas da volante de Zé Rufino foram Mariano, Pavão e Pai Véio, e ainda, o coiteiro João do Pão. Adelaide jamais esteve no Cangaleixo, ela já estava morta há muito tempo, pois havia morrido de parto nas proximidades do povoado Curituba. Quem estava no coito era Rosinha, companheira de Mariano e irmã de Adelaide. Rosinha não sofreu nenhum ferimento, estava, isto sim, em alto estado de gravidez.
É com essa enxurrada de enganos e equívocos que Archimedes está, como se fosse uma espécie de protesto, contestando nesta sua obra literária as aberrações contidas no "LAMPIÃO O MATA SETE", que tem como pano de fundo as injustas e desastrosas acusações no sentido de mostrar loucamente, e sem a mais tênue possibilidade de Lampião ter sido gay, impotente e se dava ao desplante de formar um triângulo amoroso com Luís Pedro e Maria Bonita.

Em um total delírio, o autor do livro assevera que Messias de Caduda era também amante de Maria Bonita. Eu conheci e fui muito amigo de Messias de Caduda, Em meu livro "Lampião além da versão", Messias faz um relato de sua viagem para Propriá levando, a pedido de Lampião, Maria Bonita que doente de um olho iria procurar um médico, através do Dr. Hercílio Britto, para na grande cidade do Baixo São Francisco se tratar de sua enfermidade. Viagem acontecida na canoa "Tereza Góis" de Moisés Tambangue. Até a fazenda Belém, de Antônio Britto, toda cabroeira viajou na canoa. Ali, Lampião e seu bando ficaram e Maria seguiu para Propriá na companhia de Messias de Caduda e de Moisés Tambangue.

Na volta, após o tratamento, Maria Bonita viajou na canoa Paulicéia, de Antônio Britto, e na companhia do próprio Messias e dos canoeiros Aurélio e João de Rosinha " dizer-se que Messias era amante e coabitava com Maria Bonita é algo saído da mente de alguém sem compromisso nem com a verdade e nem com a história " infelizmente esse alguém, no caso em tela, é um homem que caminhou a sua vida pelos caminhos da decência e do bom proceder.

O Dr. Pedro de Morais diz à página 191 de seu livro que: "As crias concebidas e paridas por D. Deia, dizem nas falas faladas da saga desses adúlteros, eram filhos de Luís Pedro ou Messias de Caduda, outro grande amor dela, talvez, o maior de todos. Nunca foram gerados pelo atrofiado e estéril roncolho. Bomfim falava disse a quem quisesse ouvir...".

Eu conheci e era amigo de Felino Bomfim Feitosa. Tivemos uma estreita amizade durante longos anos. Na minha condição de funcionário do Fisco Estadual, trabalhei muitos anos, nos tempos que existia Exatoria, no Canindé Velho de Baixo e na Nova Canindé de São Francisco. Em meu livro "O Sertão de Lampião" à página 199, está o capítulo "O CANGACEIRO E O PADRE" todo ele construído através do relato de Felino Bomfim, discorrendo sobre um encontro acontecido nas caatingas de Poço Redondo entre Lampião e o padre Lima (Gonçalo de Sousa Lima). Este padre era tio de Bomfim e o mesmo estava presente a esse encontro, sem, no entanto, escutar a conversa dos dois, mas vendo ambos conversando na mataria.

Um acontecimento deste, envolvendo um padre que era seu tio, Bomfim me contou. E por que, mesmo eu sabendo que nem ele e nem a maioria dos buraqueiros, aqueles que residiam nas ruas e praças da velha cidade-pólo do Sertão do São Francisco, não gostavam, abominavam mesmo, o cangaço e Lampião, e Bomfim nunca escondeu esse sentimento, mas, mesmo assim, ele nunca me disse, nem de brincadeira, que Lampião era gay e que Maria Bonita era amante de Messias de Caduda?

Portanto, leitor amigo, este livro de nosso companheiro e competente rastejador das coisas do sertão, do cangaço e de Lampião, o nosso Archimedes, tem como principal finalidade mostrar aos que pesquisam e se preocupam com a nossa história, a história de nosso povo, que não devemos, sob hipótese alguma, permitir que versões loucas e sem nenhum sentido, num acinte a verdade da história, sejam perpetuadas como verdadeiras.

Parabéns, Archimedes Marques, pelo seu brilhante e elucidativo trabalho literário, trabalho que tem a missão de desfazer os delírios que estão no livro "LAMPIÃO O MATA SETE".

Saudações cangaceiras
Alcino Alves Costa

LAMPIÃO NO MUNDO DAS CELEBRIDADES

Octavio Iani ( 1926/2004), considerado um dos fundadores da sociologia no Brasil, tem um belo estudo sobre tipos e mitos do pensamento brasileiro. Para ele, o Brasil pode ser visto ainda como um país, uma sociedade nacional, uma nação ou um Estado-não nação em busca de um conceito. É neste processo de buscar uma cara que florescem as figuras e as figurações, os mitos e as mitificações de "Lampião", "Padre Cícero", "Antonio Conselheiro", "Tiradentes", "Zumbi" e outros, reais e imaginários.
No caso de Tiradentes, nosso herói maior, a propaganda republicana, na ausência de um retrato feito por alguém que realmente o tivesse conhecido pessoalmente, o pintou como Cristo. Aquelas barbas podem ser pura imaginação do retratista, já que naquela época, como em alguns lugares hoje, preso não podia deixar crescer barba ou cabelo por causa dos piolhos.

Com Lampião, o processo de mitificação é interminável. Afinal, ele é filho famoso de uma terra de cantadores de feira e de cordelistas, onde a imaginação, e não só talento, também corre solta. Tanto que nas últimas décadas muitos tentaram promover a transposição da imagem de Lampião de "facínora" para uma espécie de versão tupiniquim do "Bandido Giuliano", o fora da lei que virou herói siciliano na primeira metade do século XX e que foi retrato nas telas no clássico de Francesco Rosi.

Acho ainda que Lampião, como ocorre com muitos outros personagens da nossa história, está sendo redescoberto pela ótica do culto da invasão da privacidade, uma das marcas dos tempos atuais. Em suas covas, mesmo enterrados há 50, 100, 200 anos, eles não conseguiram escapar de um mundo que se transformou numa Big Brother. Viraram "Celebridades", e portanto sujeitos a bisbilhotices, ou fofocas mesmo, sobre seus afetos, romances e até opção sexual. Talvez seja por isso que surgem agora questionamentos sobre a sexualidade "Zumbi" e mais recentemente de "Lampião".

Neste livro, Archimedes Marques procura desmontar, pedra por pedra, o mito do Lampião gay. Vale a pena conferir.

Ancelmo Gois (Colunista do Jornal O GLOBO)

*NOTA: Para adquirir o livro a custo de R$ 50,00 (já incluido as despesas dos Correios) entre em contato com o autor ARCHIMEDES MARQUES através do endereço de e-mail: archimedes-marques@bol.com.br
  Autor:   Archimedes Marques / Alcino Alves Costa / João de Sousa Lima e Ancelmo Gois


  Mais notícias da seção LIVRO no caderno LITERATURA & CANGAÇO
18/09/2012 - LIVRO - O Nordeste em fúria
Lançamento do livro ASSIM ERA LAMPIÃO E OUTRAS HISTÓRIAS...
17/04/2012 - LIVRO - O CANGAÇO NAS BATALHAS DA MEMÓRIA
O livro CANGAÇO NAS BATALHAS DA MEMÓRIA do Prof. Antônio Fernando de Araújo Sá é fruto de longo trabalho de pesquisa histórica e historiográfica realizada no Departamento de História e no Mestrado em Letras da Universidade Federal de Sergipe....
26/02/2012 - LIVRO - RELAÇÃO DE LIVROS
franpelima@bol.com.br R. João de Souza Maciel, 174 Bairro da Esperança- Cajazeiras -PB CEP 58900-000...
09/02/2012 - LIVRO - Guerreiros do sol. Violência e banditismo no Nordeste do Brasil
Guerreiros do sol, em nova edição, é um estudo fiel e detalhado do cangaço no Nordeste brasileiro. O assunto é apresentado sob vários aspectos, entre eles o condicionamento socioeconômico gerado pelo ciclo do gado....
24/01/2012 - LIVRO - Os cangaceiros: ensaio de interpretação histórica
2011-08-01 - Lutas Sociais - número 26Angélica Lovatto...
09/01/2012 - LIVRO - Para os amantes da Itaytera e Província, recado do professor Pereira
Capa da Itaytera, número 41 do ano de 1997...
09/01/2012 - LIVRO - Reedição de Livros do Cangaço
A bibliografia do cangaço e temas afins é extensa e diversificada. São centenas de livros à disposição dos estudiosos, pesquisadores, colecionadores e admiradores da história e cultura nordestina. ...
09/01/2012 - LIVRO - Cangaceiros do Nordeste
O paraibano Pedro Baptista escreveu e publicou Cangaceiros do Nordeste, a primeira publicação sobre o cangaço brasileiro, em 1929, na Parahyba do Norte, quando o mundo caía com a crise econômica e João Pessoa não existia como cidade. Cangaceiros do Nordeste é a história do cangaço, de 1724 ao começo do século XX, na Paraíba, Pernambuco, Piauí, Cear...
13/12/2011 - LIVRO - UMA CICATRIZ POR VINGANÇA
A Rainha do Cangaço, Maria Bonita, acabara de perder seu primeiro filho. A natureza lhe negara naquele instante o direito de perpetuação da espécie humana. As lágrimas da triste mãe encharcaram a cova rasa e solitária do filho que não viu o mundo, enquanto o leite materno, fonte divina da vida, secava na dor da trágica perda. No seu sofrido silê...
07/11/2011 - LIVRO - A costureira e o cangaceiro
Frances de Pontes Peebles...
30/07/2011 - LIVRO - Lançamento do romance Anésia Cauaçu, de Domingos Ailton marca o centenário de fatos históricos da região de Jequié.
CONVITETenho o prazer de convidar para o lançamento do romance de minha autoria, Anésia Cauaçu, dia 29 de outubro de 2011, sábado às 19h, na Casa da Cultura Pacífico Ribeiro, situada na Rua Jerônimo Sodré, centro de Jequié (em frente ao Jequié Tênis Clube). Domingos Ailton Escritor ...
29/07/2011 - LIVRO - RELAÇÃO DE LIVROS SOBRE O CANGAÇO, SERTÕES E AFINS
Para você que é curioso, estudante, pesquisador, amante do cangaço, ou mesmo estudioso do tema, colecionador de livros sobre o tema, recomendo a compra de NOVOS OU USADOS nas mãos de uma pessoa de inteira confiança e reponsabilidade. FRANCISO PEREIRA LIMA da cidade de Cajazeiras é essa pessoa. Escolha os seus livros e entre em contato com o vendedo...
27/07/2011 - LIVRO - LAMPIÃO, UM RAIO DE PERIGOSO
Como foi prometido, estamos dando notícias dos nossos arquivos sobre Virgulino. Livramo-nos de quase toda pilha de papéis velhos, mas conseguimos deixar em ordem os trabalhos, já em fase de revisão, ajustes e acabamentos....
10/07/2011 - LIVRO - Rui Facó e os pobres do campo
Rui Facó. Cangaceiros e fanáticos: gênese e lutas. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009....



Capa |  ARTE & CULTURA DO CANGAÇO  |  ARTIGOS DE OUTROS AUTORES  |  CORDEL E POESIA SERTANEJA  |  CRÔNICAS  |  DESTAQUES  |  ESTUDOS SOBRE O CANGAÇO  |  EVENTOS SOBRE O CANGAÇO  |  GUERRAS ADJACENTES AO CANGAÇO  |  HISTÓRIA DO CANGAÇO  |  HISTÓRIAS SERTANEJAS  |  JORNALISMO & CANGAÇO  |  LITERATURA & CANGAÇO  |  LIVROS A VENDA  |  MEUS ARTIGOS  |  MEUS COMENTÁRIOS  |  MULHERES NO CANGAÇO  |  NAS ANDANÇAS DO MEU LIVRO  |  PERSONAGENS DA ÉPOCA  |  TEXTOS DA ÉPOCA DO CANGAÇO
Busca em

  
854 Notícias