| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

O CANGAÇO EM FOCO
Desde: 28/02/2011      Publicadas: 854      Atualização: 09/11/2013

Capa |  ARTE & CULTURA DO CANGAÇO  |  ARTIGOS DE OUTROS AUTORES  |  CORDEL E POESIA SERTANEJA  |  CRÔNICAS  |  DESTAQUES  |  ESTUDOS SOBRE O CANGAÇO  |  EVENTOS SOBRE O CANGAÇO  |  GUERRAS ADJACENTES AO CANGAÇO  |  HISTÓRIA DO CANGAÇO  |  HISTÓRIAS SERTANEJAS  |  JORNALISMO & CANGAÇO  |  LITERATURA & CANGAÇO  |  LIVROS A VENDA  |  MEUS ARTIGOS  |  MEUS COMENTÁRIOS  |  MULHERES NO CANGAÇO  |  NAS ANDANÇAS DO MEU LIVRO  |  PERSONAGENS DA ÉPOCA  |  TEXTOS DA ÉPOCA DO CANGAÇO


 MEUS COMENTÁRIOS

  02/06/2011
  0 comentário(s)


O fim de Virgulino Lampião " O que disseram os JORNAIS SERGIPANOS (comentário)

O livro é fechado com chave de ouro, ao ser publicada a sensacional e importante reportagem intitulada LAMPIÃO EM CAPELA, assinada pelo jornalista e escritor, Zózimo Lima, então correspondente do Correio de Aracaju, presente naquela memorável data do dia 25 de novembro de 1929, em que Lampião chegou até a assistir um filme no cinema daquela cidade.

O fim de Virgulino Lampião O fim de Virgulino Lampião " O que disseram os JORNAIS SERGIPANOS (comentário)


A obra em comentário, de autoria do pesquisador e escritor ANTONIO CORRÊA SOBRINHO, ilustre e nobre sergipano de Aracaju, Auditor-Fiscal do Trabalho, Bacharel em Direito formado pela UFS no ano 1985, busca mostrar em texto simples, mas de boa qualidade e de rápido entendimento, o exaustivo trabalho da sua pesquisa junto ao Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe e a Biblioteca Pública Epifânio Dória na nossa capital, Aracaju, para trazer a público tudo que fora dito nos Jornais escritos de Sergipe sobre a carnificina de Angicos ocorrida em 28 de julho de 1938, prosseguindo em matérias e artigos, pós-morte de Lampião junto com a sua amada Maria Bonita e nove dos seus seguidores cangaceiros, até o real fim do ciclo do cangaço, com a atroz vingança a inocentes e posterior morte do temível Corisco, culminando com a entrega espontânea às autoridades constituídas contemporânea, dos tantos remanescentes egressos dos diversos grupos de Lampião.

O autor do livro mostrou toda a sua perspicácia e perseverança ao romper meses de trabalho de pesquisa debruçado nos velhos arquivos público da capital sergipana e além fronteira, em trabalho exaustivo que reúne num só instrumento as noticias publicada no calor dos fatos, no clamor e na efervescente alegria de muitos, na loucura popular por onde passava os tristes e deprimentes troféus, as 11 cabeças dos vencidos, o torpor das autoridades em se ver livre daquele que por certo foi o maior dos bandoleiros que o Brasil já viu, odiado e temido por muitos, amado e adorado por tantos outros.

Importa dizer que o conjunto da presente obra, no seu âmago prova que o autor é também um amante desse tão intrigante e fascinante tema que nunca se esgota, jamais morre, ao contrário, nasce e renasce e afeta boa parte da sociedade brasileira sempre com novas descobertas, apesar dos 71 anos em que se comemoram o final da era dos bandoleiros dos sertões, os famosos cangaceiros, atrozes bandidos sanguinários para muitos e aplaudidos justiceiros para tantos outros.

É de fácil entendimento ao leitor, até mesmo ao mais leigo dos leigos, notar pelas primeiras noticias veiculadas nos Jornais sergipanos, que pela lógica, também foram estas equivalentes às matérias diversas pelo Brasil afora, que a polícia volante detentora do massacre ao bando de Lampião, comandada pelo tenente João Bezerra, logo tratou de enaltecer ainda mais os seus próprios méritos, ao alardear em ampla divulgação que o bando de cangaceiros que resistiu ao ataque era composto por um número superior a 55 componentes e que houve naquele momento um bom tempo em troca de tiros, quando na verdade, o grupo era bem menor e praticamente não houve troca de tiros, apenas alguns tiros de revide à surpresa absoluta arquitetada pela polícia, e além de tudo, o chefe maior do cangaço logo fora atingido mortalmente, fazendo assim, com que os seus comandados arrefecessem os animus e desesperados fugissem para salvarem as suas próprias vidas.

Afora os exageros de estilo policial, as sensacionais informações germinadas na efervescência dos fatos, noticiadas nos já extintos Jornais sergipanos: Correio de Aracaju, O Nordeste, A Folha da Manhã, Sergipe Jornal e O Clarim (os primeiros editados em Aracaju e o último na cidade ribeirinha de Propriá), fizeram sucesso, entretanto, não há como deixar de se destacar os excelentes textos literários, desprovidos de emoções populares, dos jornalistas ou escritores Costa Rego, Mario Cabral, Namyro, L. Campos Sobrinho, Graciliano Ramos, Freire Ribeiro, Ângelo Sibela, E. Maia e Alvarus de Oliveira, destarte para o emocionante e brilhante artigo sobre a gangaceira Maria Bonita, escrito pelo Ângelo Sibela, publicado no Correio de Aracaju, em 27/10/38.

O livro é fechado com chave de ouro, ao ser publicada a sensacional e importante reportagem intitulada LAMPIÃO EM CAPELA, assinada pelo jornalista e escritor, Zózimo Lima, então correspondente do Correio de Aracaju, presente naquela memorável data do dia 25 de novembro de 1929, em que Lampião chegou até a assistir um filme no cinema daquela cidade.

Para mim, não resta dúvidas, que a presente obra literária informativa e histórica, disso tudo compilado, por certo servirá de parâmetro e ajuda para surgimento de novos livros, escritos por novos ou velhos autores, sobre a continuidade desse tema que canta e encanta e que é sem sombras de dúvidas, de inesgotáveis fontes, jamais saturado, sempre em busca da verdade absoluta dos fatos que marcaram para sempre a história dos sofridos, mas fortes e valentes, nordestinos.

Em assim sendo, não só recomendo a leitura do livro, como entendo ser necessário colecionar a referida obra em toda boa biblioteca, como sendo de excelente fonte de pesquisa e aprendizado, para tanto, sugiro a sua aquisição através contato via endereço de e-mail com o autor Antonio Corrêa Sobrinho: tonisobrinho@uol.com.br

Archimedes Marques (Delegado de Policia no Estado de Sergipe. Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Segurança Publica pela Universidade Federal de Sergipe) archimedes-marques@bol.com.br
  Autor:   Archimedes Marques


  Mais notícias da seção COMENTÁRIOS no caderno MEUS COMENTÁRIOS
06/05/2012 - COMENTÁRIOS - BONS AMIGOS
Abençoados os que possuem amigos, os que os têm sem pedir. Porque amigo não se pede, não se compra, nem se vende. Amigo a gente sente!...



Capa |  ARTE & CULTURA DO CANGAÇO  |  ARTIGOS DE OUTROS AUTORES  |  CORDEL E POESIA SERTANEJA  |  CRÔNICAS  |  DESTAQUES  |  ESTUDOS SOBRE O CANGAÇO  |  EVENTOS SOBRE O CANGAÇO  |  GUERRAS ADJACENTES AO CANGAÇO  |  HISTÓRIA DO CANGAÇO  |  HISTÓRIAS SERTANEJAS  |  JORNALISMO & CANGAÇO  |  LITERATURA & CANGAÇO  |  LIVROS A VENDA  |  MEUS ARTIGOS  |  MEUS COMENTÁRIOS  |  MULHERES NO CANGAÇO  |  NAS ANDANÇAS DO MEU LIVRO  |  PERSONAGENS DA ÉPOCA  |  TEXTOS DA ÉPOCA DO CANGAÇO
Busca em

  
854 Notícias