| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

O CANGAÇO EM FOCO
Desde: 28/02/2011      Publicadas: 854      Atualização: 09/11/2013

Capa |  ARTE & CULTURA DO CANGAÇO  |  ARTIGOS DE OUTROS AUTORES  |  CORDEL E POESIA SERTANEJA  |  CRÔNICAS  |  DESTAQUES  |  ESTUDOS SOBRE O CANGAÇO  |  EVENTOS SOBRE O CANGAÇO  |  GUERRAS ADJACENTES AO CANGAÇO  |  HISTÓRIA DO CANGAÇO  |  HISTÓRIAS SERTANEJAS  |  JORNALISMO & CANGAÇO  |  LITERATURA & CANGAÇO  |  LIVROS A VENDA  |  MEUS ARTIGOS  |  MEUS COMENTÁRIOS  |  MULHERES NO CANGAÇO  |  NAS ANDANÇAS DO MEU LIVRO  |  PERSONAGENS DA ÉPOCA  |  TEXTOS DA ÉPOCA DO CANGAÇO


 TEXTOS DA ÉPOCA DO CANGAÇO

  17/06/2011
  0 comentário(s)


OS DOIS BANDIDOS

O que há a destruir é o motivo permanente do símbolo, depois da vida transitória do homem.
O símbolo é antigo. Chamou-se por longo tempo Lampião, chamara-se antes Antônio Silvino, poderá vir a ter qualquer outro nome.

OS DOIS BANDIDOS
FOLHA DA MANHÃ
09/08/38

OS DOIS BANDIDOS

Costa Rego

O bandido Lampião não foi mais forte que sua lenda. Tratava-se de um simples miserável, que era, entretanto, um símbolo.

O que há a destruir é o motivo permanente do símbolo, depois da vida transitória do homem.
O símbolo é antigo. Chamou-se por longo tempo Lampião, chamara-se antes Antônio Silvino, poderá vir a ter qualquer outro nome.

O motivo do símbolo está dentro da vida sertaneja, que é feita de sacrifícios e de reações violentas " reações, antes de tudo, contra a hostilidade da própria terra.

O homem do litoral é expansivo, porque tem o mar, a quem entrega o seu destino, e a existência lhe sorri todas as manhãs na vela branca de uma jangada que lhe dá abundância. A natureza o acolhe com os meios fáceis do mar, esse renovador de impressões e de recursos.

Da vida que dedilha o praieiro tira endechas românticas, onde o homem figura como o herói que venceu uma tempestade ou seduziu uma bela. Os problemas prosaicos de sua vida resolvem-se na praia, com um pouco de farinha de mandioca, um xeréu, uma panela de caranguejos, uma tarrafa, dez ou vinte camarões. O coqueiral cerrado fornece-lhe o resto, inclusive a poesia das tardes, com um sol que se deitara no meio de reflexos vivos e o sino de uma capela batendo a hora melancólica do Ângelus. O praieiro estende-se, para dormir. A natureza assegura-lhe o dia seguinte; a natureza povoa de cuidados femininos sua existência suave e privilegiada.

Em contraste, o sertanejo salta de sua enxerga para lutar. O sol comburente mata-lhe a plantação, mata-lhe o gado, mata-lhe a árvore que dá sombra e mantém os veios que dessedentam.

Este homem vive em perpétua luta e não recebe, conquista vida. Suas canções são guerreiras, pontilhadas dos sucessos de Mané Francisco, Chico Dunga, Zé Vicente e essa gente tão valente do sertão de Jatobá... Os próprios amores resolvem-se a ponta de faca. As donas e donzelas são objetos de turras famosas. No vermelho do chitão de seus vestidos é raro que não haja o do sangue de algum menestrel sacrificado.

Uma carga de algodão, ondulando pelas estradas poeirentas sobre o dorso de animais, e um poema de trabalho arrancado à hostilidade do meio. O estalido seco do chicote, estimulando o passo das bestas, e o perene deságio do almocreve afrontando as forças contrárias do sertão.

Não há no sertão populações alegres, como na praias; há povoados retraídos, de mulheres masculinizadas pelo infortúnio e pela necessidade de coragem, de homens prontos a desagravar qualquer coisa, em rixa com qualquer um.

Deste meio complexo saem homens empreendedores, como Delmiro de Gouveia, que fez o milagre de instalar uma indústria dentro da caatinga; saem ainda salteadores, como Lampião.

O primeiro é o paradigma do homem que confia e realiza; o segundo, do homem que desespera e se transvia.

O problema do sertão aparece em linhas nítidas nestes dois tipos. É um problema econômico.

Em poucas palavras esse problema é um único: excluir o tipo Lampião pela propagação intensa do tipo Delmiro de Gouveia. O sertão reclama governos, para deixar de reclamar expedições.



*Nota do estudante e apaixonado pelos assuntos ligados ao cangaço, Archimedes Marques, gerente do site www.cangacoemfoco.com.br (17 de junho de 2011):

- O texto assinado pelo jornalista Costa Rêgo em 09/08/38, para a FOLHA DA MANHÃ (jornal extinto há muito tempo) fora capturado com a autorização do escritor sergipano, Antonio Corrêa Sobrinho, autor do livro "O fim de Virgulino Lampião " O que disseram os JORNAIS SERGIPANOS", que rompeu meses de trabalho de pesquisa debruçado nos velhos arquivos da nossa Aracaju e além fronteiras para trazer ao público as pertinentes matérias jornalísticas de Sergipe, no período pós-morte de LAMPIÃO, em trabalho exaustivo que por certo servirá de parâmetro e ajuda em novos livros, de novos ou velhos autores, sobre esse tema que canta e encanta e que é sem sombras de dúvidas, de inesgotáveis fontes, jamais saturado, sempre em busca da verdade absoluta dos fatos que marcaram para sempre a história nordestina.

Não só recomendo a leitura do livro, como entendo ser necessário colecionar a referida obra na sua biblioteca, como sendo de excelente fonte de pesquisa e aprendizado, para tanto, sugiro a sua aquisição através contato via endereço de e-mail com o autor Antonio Corrêa Sobrinho: tonisobrinho@uol.com.br

Atenciosamente
Archimedes Marques " Archimedes-marques@bol.com.br

  Autor:    Costa Rego


  Mais notícias da seção COMENTÁRIOS no caderno TEXTOS DA ÉPOCA DO CANGAÇO
19/06/2011 - COMENTÁRIOS - BOATOS SOBRE LAMPIÃO
Continuam os boatos sobre Lampião a correr todos os cantos da cidade, constituindo o assunto forçado de todas as palestras...
17/06/2011 - COMENTÁRIOS - LAMPIÃO EM CAPELA
Informações interessantes colhidas pelo correspondente do Correio " a atitude digna do intendente Antão Corrêa " Lampião acha que a vida do cangaço é bem divertida " outras notas...
04/06/2011 - COMENTÁRIOS - MORREU UM SOLDADO
Quando da alvissareira notícia pormenorizada do extermínio do grupo chefiado por Lampião, fera humana que há mais de vinte anos vem, com os seus sequazes, matando, roubando e desonrando os lares dos nossos sertões e de além fronteira, tomando de abafo cidades, vilas, povoados e fazendas, os telegramas, jornais e "jornais de calçadas", depois de um ...
02/06/2011 - COMENTÁRIOS - O AMOR INFELIZ DE MARIA BONITA
E dentro em breve, muita gente há de ver, sertão afora, vagando nas solitárias noites enluaradas, por sobre a infinidade das caatingas do Norte, o vulto radiante de Maria Bonita, contando pela voz eterna dos ventos nas manhãs de sol, nas tardes de violeta, ou nas noites de lua " noites caboclas do Brasil romântico a história dolorosa e sangrenta do...
01/06/2011 - COMENTÁRIOS - SOBRE MARIA BONITA
Fotografia de Maria Bonita postada pelo gerente do Cangaço em foco, colhida no google....



Capa |  ARTE & CULTURA DO CANGAÇO  |  ARTIGOS DE OUTROS AUTORES  |  CORDEL E POESIA SERTANEJA  |  CRÔNICAS  |  DESTAQUES  |  ESTUDOS SOBRE O CANGAÇO  |  EVENTOS SOBRE O CANGAÇO  |  GUERRAS ADJACENTES AO CANGAÇO  |  HISTÓRIA DO CANGAÇO  |  HISTÓRIAS SERTANEJAS  |  JORNALISMO & CANGAÇO  |  LITERATURA & CANGAÇO  |  LIVROS A VENDA  |  MEUS ARTIGOS  |  MEUS COMENTÁRIOS  |  MULHERES NO CANGAÇO  |  NAS ANDANÇAS DO MEU LIVRO  |  PERSONAGENS DA ÉPOCA  |  TEXTOS DA ÉPOCA DO CANGAÇO
Busca em

  
854 Notícias